Pulseira fitness desmente mulher que mentiu sobre ter sido estuprada

Pulseira fitness desmente mulher que mentiu sobre ter sido estuprada

Dados do dispositivo fitness mostraram que a mulher estava acordada e de pé, no momento em que afirmou estar dormindo, em seu depoimento para a polícia.

Jeannine Risley, da Flórida, Estados Unidos, estava dormindo na casa de seu chefe, na Pensilvânia, e contou ter sido atacada por um misterioso invasor enquanto dormia.

Agora, a mulher está enfrentando acusações por ter mentido à polícia a respeito do caso.

O promotor do distrito em que ocorreu a denúncia disse que a pulseira Fitbit – que Jeannine estava usando no momento do suposto crime – fez “toda a diferença”.

O dispositivo – que monitora o movimento e o sono – mostrou que ela não estava dormindo na cama, e sim acordada e andando.

Os oficiais de justiça podem obter um mandado de busca para este tipo de dispositivo, já que muitos deles armazenam informações relacionadas à localização e ao número de passos dados pelo usuário, entre outras.

Os dados de uma pulseira Fitbit já haviam sido usados previamente como prova em um caso no Canadá.

“Quando temos tecnologias como o Fitbit, devemos tirar proveito delas,” disse o promotor do distrito, Craig Stedman.

“Nós precisamos nos adaptar e usar estas informações para facilitar o nosso trabalho.”