Restaurante universitário da UFPE transforma em energia parte da sobra dos alimentos

Restaurante universitário da UFPE transforma em energia parte da sobra dos alimentos

Parte dos alimentos que sobram no restaurante universitário da UFPE ganha um destino diferente na instituição. É no Laboratório de Resíduos Sólidos que o volume de gás metano gerado a partir do material orgânico é quantificado. A ideia, segundo os pesquisadores, é estimar a capacidade de geração de energia elétrica que pode ser produzida a partir do volume de biogás gerado. Só em três dias, 500 ml de metano foram contabilizados pelo laboratório.

Esse volume, se colocado num biorreator, é capaz de gerar 35 kWh/mês de potência instalada de energia elétrica, suficiente para abastecer 84 casas, desde que o consumo seja regular. O equipamento, doado pelo governo alemão à UFPE, simula a mesma célula experimental utilizada no aterro sanitário da Muribeca.

No laboratório, o material orgânico é processado por meio de um sistema automático e ao fim do experimento, um banco de dados é gerado automaticamente por um software. As informações ficam armazenadas em um computador.

A mestranda em engenharia civil Rebeca Valença, 23 anos, explicou que o biogás é uma forma de energia renovável e de queima limpa que substitui o GLP (gás de cozinha) e se colocado em motores geradores, também é combustível para geração de energia elétrica. “Além de impedir que o metano seja liberado à atmosfera, que é um gás de efeito estufa 21 vezes mais poluente que o gás carbônico”, salienta a pesquisadora.

O processo passa por quatro etapas. Antes, os alimentos são cuidadosamente selecionados. As sobras vêm do refeitório e da cozinha do restaurante universitário. “No refeitório coletamos o que sobra nos pratos. Feijão, macarrão, arroz, por exemplo. Já na cozinha, restos de cebola, alface, cascas de laranja. Daí, levamos ao laboratório para fazer a separação”, detalhou o técnico em química Leandro Silva, 26. Os resíduos são triturados e misturados a inócuos, como lodo industrial ou doméstico.

Com informações da Folha-PE