Eduardo Baptista reconhece fraca atuação do Sport na derrota por 1 a 0 para Coruripe.

O retrospecto jogava contra. Nas quatro primeiras rodadas pelo Grupo B da Copa do Nordeste, o Coruripe somou três empates e uma derrota. Na noite desta quarta-feira, era vencer ou vencer. Não importava o favoritismo do adversário. Outro tropeço eliminaria qualquer chance de classificação ao mata-mata. Por isso, quando Williams José abriu o placar, aos 17 minutos do segundo tempo, a festa foi merecida. O Sport sentiu o golpe. Apático, não teve forças para reagir. E viu o time da casa comemorar vitória por 1 a 0. Com méritos.

Coruripe x Sport, em Coruripe (Foto: Leonardo Freire/GloboEsporte.com)
Coruripe foi o time que mais procurou a vitória no Gérson Amaral (Foto: Leonardo Freire/GloboEsporte.com)

Sobretudo no segundo tempo, a equipe alagoana, mesmo diante de toda limitação, foi a que mais procurou o resultado. Com Diego Souza pouco inspirado, o Sport foi um time burocrático do início ao fim. A dependência do meia parece cada vez mais clara no time rubro-negro. Além de tudo, o Leão parece ter sentido a sequência de quatro jogos fora de casa. Antes, havia perdido do Central e vencido Socorrense e Serra Talhada.

 

O Sport hoje é o segundo colocado do grupo, mas amanhã, apesar de não ter jogo, pode virar líder. Isso porque o Sampaio Corrêa será julgado pelo STJD pela escalação de um jogador irregular contra o próprio Leão. Os maranhenses já perderam seis pontos no primeiro julgamento, mas conseguiram um efeito suspensivo. O julgamento desta quinta-feira será definitivo, mas nem assim o Sport pode garantir a classificação antecipada.