Projeto realiza um Dia dos Avós diferenciado

Projeto realiza um Dia dos Avós diferenciado

Projeto “Anjos de Patas” busca fazer a diferença para os idosos de asilos que aguardam a semana toda por uma visita. No asilo São Vicente de Paulo, em Marília (SP), os cães visitaram os idosos e arrancaram sorrisos dos novos amigos neste fim de semana.

Os animais levaram um pouco de alegria para os moradores que já passaram dos 60 anos. “Esse momento está sendo especial porque começa esse contato com outro, com ao animal que é dócil, isso desperta nele aquilo que está fechado dentro de si. Porque aqui quase não se comunicam um com o outro, então esse momento é importante por causa da socialização”, explica o diretor do asilo José Carlos Basso.

São vinte cachorros e voluntários de uma ONG de Marília que promoveram uma tarde diferente para os moradores do asilo. “Eu vi uma cachorra linda ali, até uma conhecida que de vez em quando faz bingo aqui, ai eu falei pra cachorra dela, ai que coisa linda, a cachorra queria me beijar”, conta a moradora do asilo, Maria José Sgarbi.

saiba mais

  • Voluntários fazem casinhas para abrigar cães que vivem nas ruas
  • Feira de adoção disponibiliza cães e gatos castrados em Bauru

A intenção foi justamente essa, quebrar o gelo e preencher o espaço com o calor humano e animal. Em lares como esse, os casos de depressão atingem 70% dos moradores. A maioria passa uma semana inteira esperando uma visita. O geriatra Valdeci Rigolin, que levou o projeto pra dentro do lar, explica que o objetivo é melhorar a convivência dos idosos e atrair visitantes todos os dias.

“Ela aproxima o visitante do morador com a ferramenta sendo o animal. O animal é puro de relações, as relações não têm preconceitos, o animal tem uma aproximação afetiva, limpa, espontânea, real, então ela passa, o animal passa a ser essa ferramenta de aproximação, de elo entre o visitante e o morador”, explica.

Esse dia foi tão especial para os idosos que marcou até mesmo os voluntários. “Foi de alegria porque eu acho que é uma coisa bem diferente, trazer uns cachorrinhos aqui em um lugar onde às vezes eles não têm ninguém visitando, eles gostaram bastante”, acredita a estudante Carla Tolentino dos Reis.

Do G1